Para muitos empreendedores, aprender como vender para fora do Brasil é a chave para alcançar o tão sonhado sucesso no Ecommerce. Neste artigo, te mostramos como fazer isso. Leia agora!

Não é novidade para ninguém que, no contexto do comércio eletrônico, as fronteiras entre países estão cada vez menores. 

Só para você ter uma ideia, o mercado de Ecommerce global tinha faturado US$ 2,5 trilhões em 2016 e, em 2022, essas cifras chegaram a impressionantes US$ 5,9 trilhões, de acordo com dados da GlobalData. Essa é uma taxa de crescimento anual de 15%. 

E, segundo informações do mesmo órgão, o mercado global de Ecommerce valerá o equivalente a US$ 9,3 bilhões em 2027!

Por tudo isso, podemos afirmar que nunca houve momento tão propício para explorar novos horizontes e aproveitar as vantagens de vender para fora do Brasil. 

Neste contexto, a pergunta que fica é: sua empresa está preparada para superar as fronteiras nacionais e vender em outros países? 

A resposta para esse questionamento é mais complexa do que parece e, nesse guia, vamos desmistificar os processos, apresentar dicas práticas e estratégias eficazes para que você possa abrir as portas do seu negócio para o mundo

Vamos começar?

Por que vender para fora do Brasil? 

Vender para fora do Brasil representa uma chance única de acessar uma base de consumidores diversificada, aumentar a rentabilidade e expandir a presença da sua marca em escala global. 

Em outras palavras, vender para fora do Brasil é uma oportunidade de crescimento e uma necessidade estratégica para negócios que buscam se destacar em um mercado cada vez mais globalizado. 

Com mais da metade do valor do Ecommerce vindo de gigantes como China e Estados Unidos, pode parecer intimidador entrar nesse jogo. Porém, os mercados emergentes, incluindo a América Latina, estão rapidamente ganhando terreno e se tornando players significativos. 

Só para você ter uma ideia, no 2º trimestre de 2023, o mercado de Ecommerce na América Latina cresceu além da média mundial, de acordo com dados da Salesforce.

Como vender para fora do Brasil?

Diante do potencial imenso que o mercado internacional oferece, a próxima etapa é traçar o caminho para levar seu negócio além das fronteiras brasileiras. 

Mas como transformar essa oportunidade em realidade? 

Neste tópico, vamos explorar estratégias concretas e passos práticos para que você possa expandir sua operação e começar a lucrar no cenário global. 

Aqui, você vai encontrar as orientações essenciais para fazer das vendas internacionais uma fonte robusta de receita para o seu negócio.

Veja! 

1. Entenda o mercado internacional 

Assim como em qualquer jornada, o primeiro passo deve ser dado na base do conhecimento e preparação. E, nesse caso, entender o mercado no qual sua empresa estará inserida é fundamental. 

Vamos explorar juntos como você pode entender profundamente o mercado internacional, selecionando países-alvo, compreendendo as preferências dos consumidores e analisando a concorrência. 

Este é o alicerce sobre o qual você construirá seu sucesso no Ecommerce global!

1.1 Pesquisa de mercado: como identificar países-alvo?

Cada mercado tem suas características, desafios e oportunidades. Identificar os países-alvo mais promissores requer uma pesquisa de mercado detalhada. 

Comece por analisar dados econômicos, demográficos e sociais, procurando por mercados com alta demanda para produtos ou serviços no seu nicho. Ferramentas de análise de mercado e dados de comércio internacional podem oferecer insights valiosos. 

Além disso, considere a facilidade de entrada, os acordos comerciais existentes e a estabilidade econômica dos países.

Algumas das ferramentas que você pode usar nesta etapa são: 

  • Trading Economics: oferece dados por país sobre uma vasta gama de indicadores econômicos, sociais e políticos, úteis para avaliar mercados potenciais;
  • World Bank Data: uma fonte abrangente de dados econômicos globais que pode ajudar a entender as condições econômicas dos países-alvo;
  • UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento): fornece estatísticas de comércio e investimento que podem identificar tendências de mercado e oportunidades de negócio.

1.2 Compreendendo as preferências dos consumidores internacionais

Cada mercado tem seu conjunto único de preferências e necessidades. Para ser bem-sucedido, é essencial adaptar sua oferta ao que é valorizado localmente. Isso pode envolver ajustes em seu produto, embalagem, marketing e até no modelo de negócio. 

Realize pesquisas de mercado para entender o comportamento do consumidor, suas expectativas de produto e serviço, sensibilidades culturais e tendências de consumo. As redes sociais e os fóruns locais podem ser ótimas ferramentas para captar as nuances de um mercado específico.

Outras ferramentas que podem ser úteis incluem: 

  • Google Trends: útil para identificar tendências de pesquisa em diferentes países, ajudando a compreender o interesse dos consumidores em produtos ou serviços específicos;
  • Hootsuite Insights: oferece análise de sentimentos e tendências em várias redes sociais, o que pode ajudar a entender as preferências dos consumidores em diferentes mercados;
  • Brandwatch: uma ferramenta de escuta social que analisa conversas em várias plataformas para capturar a opinião pública sobre temas específicos, marcas ou produtos;

1.3 Análise de concorrentes

Aprender com empresas que já são bem-sucedidas no mercado externo e vendem itens semelhantes aos seus é fundamental. 

Estude suas estratégias de marketing, abordagens de vendas, pontos de diferenciação e até mesmo as falhas e lacunas que elas deixam no mercado. Isso oferece uma visão valiosa sobre o que funciona e ajuda a identificar necessidades que você pode preencher. 

Utilize ferramentas de análise competitiva para obter dados sobre o desempenho de seus concorrentes em diferentes canais. Alguns exemplos são: 

  • SimilarWeb: permite analisar o tráfego de websites concorrentes e identificar de onde vêm seus visitantes, o que pode indicar mercados interessados em produtos similares aos seus;
  • Statista: oferece estatísticas detalhadas sobre hábitos de consumo, mercados de Ecommerce, penetração de dispositivos móveis e muito mais, em diversos países;
  • SEMrush: uma ferramenta abrangente que oferece insights sobre SEO, publicidade, conteúdo e mídia social, além de realizar uma análise competitiva detalhada;
  • Ahrefs: permite aos usuários analisar o perfil de links de concorrentes, palavras-chave para as quais eles ranquearam e outros insights de SEO;
  • SpyFu: especializada em análise competitiva, essa ferramenta permite ver as palavras-chave que os concorrentes compram no Google AdWords, além das variações de anúncios de busca ao longo do tempo.

Lembre-se, que entender o mercado internacional não é uma tarefa que se faz da noite para o dia. É um processo contínuo de aprendizado e adaptação. Mas com a abordagem correta, você pode transformar desafios em oportunidades. 

2. Planeje-se 

Planejar sua entrada no comércio internacional não é apenas sobre escolher os países certos; é também sobre estabelecer objetivos realistas e definir estratégias de entrada que se alinhem com as capacidades do seu negócio. 

Vamos começar com a definição de objetivos. Estes precisam ser ambiciosos e, ao mesmo tempo, realistas. Para isso, você precisa entender o tamanho do mercado, a demanda pelo seu produto ou serviço e sua capacidade de entrega

Uma análise SWOT (Forças, Fraquezas, Oportunidades, Ameaças) pode ajudar a identificar esses objetivos de forma realista, levando em consideração tanto os fatores internos quanto os externos que podem impactar o seu sucesso. 

📃 Baixe um modelo gratuito de Matriz SWOT aqui. 

Quando se trata de estratégias de entrada no mercado, você tem duas opções principais: entrada direta e indireta

A entrada direta envolve estabelecer sua própria presença no mercado estrangeiro, seja através de uma filial, aquisição de uma empresa local ou estabelecimento de uma nova operação. 

Embora essa abordagem ofereça maior controle, também exige um investimento substancial e compreensão profunda do mercado local. 

Por outro lado, a entrada indireta – que pode incluir parcerias com distribuidores ou revendedores locais – representa uma forma menos arriscada e mais econômica de acessar novos mercados, mas com menor controle sobre a marca e as operações.

COMECE SEU ECOMMERCE DO ZERO HOJE E FATURE OS PRIMEIROS 30 MIL EM 90 DIAS

Aula exclusiva (e gratuita) começando em:

00 horas

10 minutos

00 segundos

Uma vez determinada a abordagem de entrada, devemos voltar nossa atenção para outro elemento importante: a estratégia de preço

A importância de uma estratégia de preços competitiva e adaptada a cada mercado não pode ser subestimada. 

O preço do seu produto deve refletir tanto o seu valor percebido quanto a realidade econômica local. Isso pode significar ajustar seus preços para permanecer competitivo em mercados com alta sensibilidade ao preço ou para refletir um posicionamento de marca premium em outros. 

Além disso, traduzir seu site de vendas e garantir um domínio internacional são passos fundamentais para se conectar com o público global, melhorando a acessibilidade e a compreensão do seu produto ou serviço por parte de consumidores de diferentes culturas e idiomas.

💳 Leia também: Precificação de produtos: 5 dicas para acertar 

3. Entenda as leis que regem a exportação no Brasil  

Quando você decide expandir seu negócio para além das fronteiras do Brasil, uma das primeiras etapas é se familiarizar com as regulamentações de exportação do país. 

Isso inclui normas estabelecidas pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), agora parte do Ministério da Economia, e pela Receita Federal. 

Um bom exemplo é a necessidade de se registrar no SISCOMEX (Sistema Integrado de Comércio Exterior), que é o sistema informatizado do governo brasileiro para o controle, registro e acompanhamento das operações de comércio exterior.

Também vale lembrar que a classificação fiscal dos produtos segundo a NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) é crucial para definir as alíquotas de impostos aplicáveis à exportação e identificar quaisquer restrições ou necessidades de licenças especiais para a exportação de certos produtos.

No caso de produtos alimentícios, cosméticos, medicamentos, e outros que possam impactar diretamente na saúde pública, é necessário observar as regulamentações sanitárias e fitossanitárias tanto brasileiras quanto do país alvo. 

4 BANNER BLOG - EDZ AULA

4. Invista em marketing 

Depois de entender as nuances culturais, as preferências de compra e os comportamentos online do seu novo público-alvo é hora de usar todo esse conhecimento para criar campanhas efetivas. 

Uma abordagem "tamanho único" – ou seja, que não é adaptada para o público em questão – raramente é eficaz em marketing internacional. 

Você pode precisar ajustar sua mensagem, escolher as plataformas de mídia social mais relevantes para seu público e até mesmo reconsiderar seu mix de produtos para atender melhor às necessidades e desejos locais.

Quanto ao SEO para Ecommerce no mercado internacional, é importante otimizar seu site e conteúdo para palavras-chave relevantes para aquela geografia. Na prática, isso envolve usar termos e expressões que ressoem com o público-alvo local.

Por fim, as estratégias de vendas online são fundamentais para alcançar clientes fora do Brasil. Isso pode envolver, dentre outras iniciativas, a utilização de marketplaces internacionais, o desenvolvimento de um Ecommerce próprio e a exploração das redes sociais para engajar e converter clientes. 

Cada canal tem seus próprios benefícios e desafios, e a escolha depende do seu produto, do seu orçamento e dos seus objetivos de negócios.

Por exemplo, os marketplaces estrangeiros podem oferecer uma visibilidade imediata e acesso a uma base de clientes estabelecida, enquanto uma loja virtual própria oferece maior controle sobre a marca e a experiência do cliente.

5. Determine a logística de envio

A logística de envio é um componente mais do que necessário para quem vende fora do Brasil. 

Para vender internacionalmente, você tem várias opções à disposição, incluindo os Correios, transportadoras internacionais e frete aéreo ou marítimo. Cada uma tem seus próprios benefícios, custos e considerações de tempo.

  • Correios: para volumes menores e produtos de menor valor, o serviço postal brasileiro pode ser uma opção econômica, oferecendo modalidades como o Exporta Fácil, especialmente desenhado para simplificar o processo de exportação para micro e pequenas empresas;
  • Transportadoras internacionais: empresas como DHL, FedEx e UPS oferecem serviços rápidos e confiáveis, com rastreamento detalhado. São ideais para produtos de maior valor ou quando a rapidez na entrega é uma prioridade;
  • Frete Aéreo/Marítimo: para grandes volumes de mercadorias, o frete aéreo ou marítimo pode ser mais econômico. O frete marítimo é ideal para cargas pesadas e volumosas, enquanto o aéreo é mais rápido, mas geralmente mais caro.

É fundamental ser transparente sobre os custos de envio e os prazos de entrega. Utilizar calculadoras de frete e incluir essas informações de forma clara em sua loja online pode ajudar a gerenciar as expectativas dos clientes. 

Por último, mas não menos importante: a embalagem e a etiquetagem. Esses dois elementos são essenciais não apenas para proteger o produto durante o transporte, mas também para cumprir com regulamentações específicas do país de destino. 

Informações claras sobre o conteúdo, país de origem, e cuidados especiais devem ser incluídas. Além disso, a embalagem deve ser feita de forma a otimizar o espaço e reduzir o peso, diminuindo assim o custo de envio.

🚚 Leia também: Melhor transportadora para Ecommerce [Lista 2024] 

6. Ofereça formas de pagamento seguras

A confiança é um elemento chave nas vendas quer elas aconteçam dentro ou fora do Brasil. Oferecer formas de pagamento seguras e conhecidas pode aumentar significativamente suas chances de conversão. Isso inclui:

  • PayPal: conhecido e usado mundialmente, oferece segurança tanto para o comprador quanto para o vendedor;
  • Stripe: uma plataforma de pagamentos que suporta uma ampla gama de cartões de crédito internacionais;
  • Transferências bancárias internacionais: para transações de maior valor, algumas empresas preferem transferências diretas;
  • Gateways de pagamento locais: dependendo do mercado-alvo, pode ser vantajoso oferecer métodos de pagamento locais, que são populares e confiáveis naquela região.

Certifique-se de que a sua plataforma de Ecommerce pode integrar-se com esses sistemas de pagamento e que você entende as taxas associadas, para poder gerenciar melhor sua estratégia de preços.

🇺🇸 Leia também: Como vender na Amazon USA? Entenda como lucrar com as vendas nos Estados Unidos 

7. Estruture o atendimento ao cliente 

A capacidade de oferecer suporte em diferentes idiomas é um dos pilares de um atendimento ao cliente internacional eficaz. 

Isso não significa apenas ter tradutores ou falantes nativos disponíveis, mas também garantir que todas as comunicações, sejam elas por e-mail, chat ou telefone, sejam realizadas de forma clara e compreensível. 

Investir em treinamento de equipe para lidar com nuances culturais e linguísticas pode fazer uma grande diferença na maneira como sua marca é percebida globalmente.

Também vale lembrar que, enquanto o e-mail pode ser um método preferencial de comunicação para alguns, outros podem optar por uma resposta imediata via chat ao vivo ou através de mensagens em redes sociais. 

Sendo assim, oferecer uma variedade de canais de atendimento aumenta a acessibilidade e também permite que os clientes escolham o método que consideram mais conveniente.

Uma seção robusta de Perguntas Frequentes (FAQ) e uma base de conhecimento bem estruturada são ferramentas poderosas para um atendimento ao cliente eficiente. Elas reduzem o volume de consultas que necessitam de intervenção direta, mas também empoderam os clientes, permitindo-lhes encontrar soluções para seus problemas de forma autônoma. 

Assegure-se de que esses recursos estejam disponíveis em vários idiomas e sejam facilmente acessíveis em seu site.

Pronto para vender para fora do Brasil? 

Agora que você leu nosso artigo, está pronto para começar a vender fora do Brasil! 

Como vimos, essa jornada envolve compreender mercados internacionais, ajustar estratégias de marketing e otimizar o SEO para alcançar audiências globais, dentre outros cuidados essenciais. 

Esse é um passo estratégico para expandir sua marca globalmente, aproveitando o potencial ilimitado do mercado digital mundial.

Dar o primeiro passo para vender fora do Brasil pode parecer desafiador, mas é fundamental para desbravar novos horizontes no Ecommerce. 

Para ajudá-lo nessa jornada, convidamos você a assistir a uma aula gratuita Ecommerce do Zero. Com ela, você vai aprender os passos para criar o seu Ecommerce com segurança e faturar R$ 30 mil em até 90 dias. 

Inscreva-se agora para a aula: