O influenciador virtual é mais do que uma tendência, é um grande testemunho do avanço tecnológico nos últimos anos. Criados para emular os influenciadores de carne e osso, esses personagens estão sendo cada vez mais utilizados em estratégias de marketing de grandes marcas. E com muito sucesso! 

Mas, antes de embarcar nessa tendência e criar um influenciador virtual para a sua empresa, que tal entendermos o que há por trás desse movimento? 

Neste artigo, mostraremos quais os principais influenciadores virtuais do Brasil, em quais estratégias eles estão sendo utilizados, quais as vantagens e também as desvantagens desse novo modelo de influência digital

Vem com a gente para entender tudo sobre o assunto! 

O que é um influenciador virtual?

Um influenciador virtual nada mais é do que uma personalidade com grande número de seguidores em redes sociais. A grande diferença é que, ao contrário dos influenciadores digitais – que são, efetivamente, pessoas de verdade – os influenciadores virtuais não existem. 

Ou seja, influenciadores virtuais são personagens gerados por meio da computação gráfica para emular a presença digital desses personagens e também das marcas. 

E, no que se diz respeito às diferenças… elas param por aqui. Na prática, o papel de um influenciador virtual é o mesmo que uma pessoa de verdade desempenharia nas redes sociais. 

Esses personagens utilizam da sua influência para relacionar-se com um público, vender produtos e criar um imaginário em torno de determinado estilo de vida. Nada diferente de suas versões verdadeiras, não é mesmo? 

Alguns dos principais influenciadores virtuais no mercado hoje são: 

  • Lil Miquela;
  • Noonoouri;
  • Guggimon;
  • Knox Frost;
  • Bermuda;
  • Blawko;
  • Vic Kalli.

Você pode conhecer mais influenciadores virtuais no site da Virtual Humans, portal que lista informações sobre esses personagens e publica algumas pesquisas de mercado bem interessantes sobre o assunto. 

Influenciadores virtuais: contexto de mercado

Mas, afinal de contas, de onde surgiram os influenciadores virtuais? Para entender o contexto dessa inovação, precisamos voltar aos anos 1990, quando os primeiros personagens de  CGI (Computer Graphic Imagery) – imagens geradas por computador, na tradução da sigla para o português – foram lançados no mercado. 

Em um primeiro momento, esses personagens estavam presentes em clipes musicais, filmes e videogames. Mas, com o avanço da tecnologia, esse recurso tornou-se cada vez mais comum, chegando aos nossos celulares e sendo utilizados como ferramentas de marketing. 

Isso deve-se, em partes, ao aumento da aceitação de tecnologias de Inteligência Artificial por parte das pessoas. E essa tendência pode ser vista em números…

Uma pesquisa realizada pela PwC mostra que 65% das pessoas de 25 a 49 anos falam com dispositivos de voz pelo menos uma vez por dia. E, ainda mais importante: 41% dessas pessoas falam com esses equipamentos como se fossem pessoas de verdade, utilizando termos como “por favor”, “obrigado” ou “me desculpe”. Estes dados foram compartilhados pelo Google. 

Somado a tudo isso, precisamos considerar a percepção que o público tem dos influenciadores reais. 

De acordo com o relatório Micro Influenciadores, realizado pela Contagious mostra que 43% dos consumidores britânicos pensam que os influenciadores são ‘não autênticos’.  Enquanto isso, outros 52% afirmam que se um influenciador fala sobre um produto, é porque ele foi pago para fazer isso. 

Com todos esses dados, dá para entender o motivo pelo qual pessoas se tornaram cada vez mais receptivas aos influenciadores virtuais. Uma pesquisa realizada pela HypeAuditor mostra que publicações com influencers virtuais engajam mais em faixas de público parecidas. Os números mostram que as celebridades virtuais entre  20 e 100 mil seguidores podem chegar a ter  8,36% de engajamento, enquanto as celebridades do mundo real chegam a 0,91% apenas. 

Como fazer um influencer virtual?

Um influencer virtual nada mais é do que um personagem animado por meio de técnicas de computação gráfica. Enquanto alguns miram no realismo, outros apostam no lúdico para passar sua mensagem. 

Isso quer dizer que, quando o assunto é criar um influenciador virtual, não há regras sobre sua aparência. A única regra é que essa imagem esteja alinhada ao público-alvo e à persona do seu negócio.  

Dito isso, para fazer um influencer virtual, sua empresa precisará do auxílio de um estúdio de animação. Hoje em dia, existem muitos estúdios especializados na criação desse recurso para empresas. 

Se essa é uma estratégia de marketing que a sua companhia deseja colocar em prática, é preciso pesquisar bastante sobre o estúdio escolhido, comparando preços e funcionalidades. Além disso, é importante entender se o serviço inclui algum tipo de suporte recorrente para atualização do avatar. 

Quais os virtuais influencers mais famosos do Brasil?

Se você tem prestado atenção ao mercado brasileiro nos últimos anos, provavelmente percebeu o grande avanço dos influenciadores virtuais em estratégias de marketing. A seguir, falaremos sobre alguns dos nomes que mais se destacam neste mercado. Confira! 

Lu da Magalu

A primeira aparição da Lu do Magalu foi em 2009, em um vídeo promocional para divulgar um dos produtos da Magazine Luiza. Desde então, com sua base de seguidores e fãs crescendo rapidamente, a marca começou a utilizar a influência da personagem para fazer reviews de produto, unboxings e parcerias com celebridades e outros influenciadores. 

Hoje, a personagem é a porta-voz oficial da Magazine Luiza, uma das maiores varejistas do mercado brasileiro, e já acumula mais de 5 milhões de seguidores no Instagram. A maior parte do seu conteúdo consiste em dicas de compras, memes, informações sobre produtos… enfim, tudo que você encontraria em um perfil de um influencer de verdade. 

Para conhecer mais sobre essa importante influencer virtual do Brasil, assista ao vídeo: 

5 fatos sobre mim - Canal da Lu - Magalu

Nat da Natura

A Nat, autointitulada consultora de beleza Natura, influenciadora digital e porta-voz da Natura, é a aposta da empresa no mundo dos influenciadores virtuais. A personagem foi criada em 2016, por meio de tecnologias de Inteligência Artificial e se propõe a atender dúvidas de clientes sobre produtos da empresa. 

Nessa época, a Nat ainda não tinha um corpo, propriamente dito. Ela se aproximava mais do que conhecemos como chatbots. Foi em 2018, no entanto, que a influenciadora ganhou um corpo e uma voz, trazendo um esforço maior para a humanização da marca. 

Sam da Samsung

A Sam, a influenciadora virtual da Samsung, foi reformulada em 2021 por uma equipe composta em sua maioria por artistas brasileiros. Assim como a Nat da Natura, a Sam também começou como uma inteligência artificial que tinha como objetivo auxiliar compradores no site por meio do chat. 

O lançamento da nova identidade visual da personagem criou um burburinho na internet, com muitas pessoas comentando sobre a sua aparência, fazendo cosplays e, no geral, falando sobre o assunto. Um case de sucesso e tanto, não é mesmo? 

CB das Casas Bahia

O Baianinho dispensa qualquer apresentação. Sendo o mascote das Casas Bahia desde a década de 1960, o personagem passou por diversas repaginações ao longo dos anos e nem ele escapou da tendência de digitalização! E hoje é chamado não mais de Baianinho, mas de CB.

Ainda que ele não tenha um perfil pessoal, como a Magalu, por exemplo, ele marca presença no Instagram da Casas Bahia, que conta com mais de 3 milhões de seguidores. Sua repaginada teve tudo a ver com o reposicionamento de marca, dando uma cara mais jovial à varejista, que já é bem tradicional no mercado brasileiro. 

Você pode ver a transformação do Baianinho para CB nesse vídeo aqui:

Sou o Bahianinho, mas agora pode me chamar de CB

Quais as vantagens de se utilizar um influenciador virtual? 

Agora que você conhece alguns dos principais influenciadores virtuais do Brasil e entendeu um pouco mais sobre o contexto dessa tendência de mercado, vamos falar sobre as vantagens de se aplicar essa estratégia no marketing de uma empresa. Vamos lá?

Fortalecimento do branding

Como você pode perceber, os influenciadores virtuais são criados para suprir as necessidades de empresas, sejam elas um reposicionamento de marca ou maior humanização. 

No fim das contas, o papel desse recurso é servir como uma extensão da marca, reforçando os valores da companhia e servindo como um grande fortalecedor do seu branding

Atração de público qualificado

Um influenciador virtual tem ainda uma outra vantagem: atrair o público certo para a sua empresa. Por ser criado do zero, ele pode ser especialmente pensado para atender a uma determinada expectativa do seu público.

Isso gera mais identificação com os seus clientes e, por consequência, uma maior chance de que eles façam compras e enxerguem na sua marca uma proposta de valor mais interessante. 

Maior controle e segurança para a estratégia de marketing

Ao contrário de influenciadores digitais, que são pessoas de verdade e têm vidas fora de seu trabalho, os influenciadores virtuais são totalmente dedicados à sua marca. Isso dá mais controle e segurança para suas estratégias, que não sofrerão com controvérsias relacionadas à vida pessoal. 

Quais as desvantagens de se utilizar um influenciador virtual?

Como toda estratégia, os influenciadores virtuais também têm suas desvantagens. Vamos conhecer algumas delas agora? 

Ainda é uma novidade no mercado

Mesmo que alguns dos influenciadores virtuais que mencionamos anteriormente não sejam exatamente novos – a Lu do Magalu, por exemplo, apareceu pela primeira vez em 2009 – a maneira como esse recurso é usado hoje é bem diferente. 

Sendo assim, é importante ter cautela no momento de investir nessa estratégia. Ainda que as empresas mencionadas tenham tido bons resultados em engajamento, não é possível prever que os mesmos números positivos podem ser possíveis em todos os mercados

Pode ser uma estratégia cara

Criar um influenciador virtual do zero é uma tarefa que requer muitos recursos. Isso porque animar um personagem utilizando técnicas de computação gráfica não é um projeto simples, mas um que requer mão de obra especializada e equipamentos de última geração. Dessa forma, é fácil notar o porquê desta ser uma estratégia mais cara. 

Requer cuidado redobrado com a autenticidade

Ainda que muitas pessoas tenham a percepção de que os influenciadores só fazem propaganda e pronto, o cuidado com essa autenticidade deve ser redobrado quando falamos sobre os influencers virtuais. 

Por tudo isso, é importante ter atenção com a linguagem utilizada, as imagens compartilhadas e até mesmo os tipos de tópicos que são abordados. Nesse caso, saber bem quem é o seu público-alvo e como ele se comunica é essencial. 

Leve o seu negócio para outro patamar com o Ecommerce na Prática!

Muitas pessoas querem criar um Ecommerce de sucesso, mas têm dificuldade em encontrar um caminho claro para seguir, ficam travadas e andando em círculos nessa jornada…

O Ecommerce na Prática vai te revelar como usar a chave mestra para criar um negócio milionário. Você aprenderá o passo a passo para começar seu Ecommerce do Zero, indo da criação até a escala.

A partir dessa revelação, você terá em mãos um verdadeiro mapa para mudar sua vida e alcançar seus maiores objetivos.

Conheça a assinatura Ecommerce na Prática e tenha acesso a:

  • Cursos completos com metodologias exclusivas para alavancar seu negócio, como tráfego para Ecommerce, Growth, marketing de influência;
  • Masterclass com especialistas renomados do mercado ensinando como fazer parcerias com influencers, licenciamento de marcas, planejamento estratégico;
  • Jornadas focadas em assuntos complexos como finanças, gatilhos mentais, negócios digitais, tudo destrinchados passo a passo;
  • Análises de Negócios feitas pelos consultores oficiais do Ecommerce na Prática em lojas virtuais dos mais variados tipos.

Assine o Ecommerce na Prática e aprenda TUDO o que precisa para o sucesso do seu negócio num só lugar!